Month: November 2016

O sucesso do Big Day Brasil

Pica-pau-do-campo. Foto Zé Edu Camargo
Pica-pau-do-campo, uma das aves registradas durante o Big Day Brasil em 2016. Foto Zé Edu Camargo

A esta altura do campeonato, se você se interessa minimamente por observação de aves, já deve ter visto o filme The Big Year, com Jack Black e Steve Martin. Certo? Pois bem, a competição nos EUA existe de verdade e muita gente tira um ano sabático pra tentar ver o máximo de espécies no prazo de um ano. Mas a diversão nem sempre é tão comprida. De dois anos pra cá, o laboratório de ornitologia de Cornell (que mantém o site E-bird) vem organizando em maio o Big Day global – no qual o Brasil sempre faz bonito. Mas vamos combinar, maio não é nem de longe o melhor mês para se observar aves do lado debaixo do Equador. Então os brasileiros inventaram o Big Day Brasil, na primavera americana do Sul. O ano passado (2015) foi uma espécie de esquenta. E este ano o Big Day pegou por aqui – se estendeu aos países vizinhos (Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai). Equipes em 25 dos 27 Estados foram a campo tentar registrar o máximo de espécies em 24h. O resultado? Os brasileiros registraram 1084 espécies. Os argentinos conseguiram registrar quase 70% do total de espécies conhecidas no pais – 672. Paraguai computou 254 espécies, Chile 247 e Uruguai 228. No total, isso dá 10% de todas as espécies do planetinha azul. nada mal, hem?

De quebra, a equipe composta por Wagner Nogueira e Helberth Peixoto bateu em São Paulo o recorde brasileiro de observação, com 256 espécies. E várias equipes tiveram números acima das 200 espécies. O ano que vem tem mais. Ninguém duvida que será ainda melhor. Agora é preparar bem o Brasil para o próximo Big Day global, em maio de 2017.