Amazônia

Aves do Cristalino: livro mostra espécies da Amazônia brasileira

Capa do livro Aves do Cristalino – Reprodução

“Vibrei muito na hora, pois consegui a foto que queria. Depois agradeci ao piloteiro, e disse a ele que eu havia acabado de realizar um sonho de muitos anos”. A explicação sobre a foto de capa do livro Aves do Cristalino já diz muito sobre o trabalho de Edson Endrigo. O fotógrafo (com vários livros já publicados sobre a avifauna brasileira) é conhecido por ser minucioso e dedicado à sua paixão.

O pavãozinho-do-pará de asas abertas na capa, por exemplo, resume 15 anos de buscas pelas melhores fotos de aves da RPPN Cristalino (onde fica o Cristalino Jungle Lodge), localizada na Floresta Amazônica, no norte do Mato Grosso.

Ao todo, são 270 fotos de bichos amazônicos captados em um dos melhores hotspots para a observação de fauna no mundo. Os textos do livro são assinados pelo pesquisador Bradley Davis. Para comprar o livro, basta ir ao site da editora. Para saber outros destaques da programação do Avistar, visite o site do evento.

Casal viaja o Brasil passarinhando e educando

Uirapuru-laranja – Foto: Renato Rizzaro
Chifre-de-ouro – Foto: Renato Rizzaro

Há histórias tão ricas e vívidas que parecem ficção, enredo de filme, poesia – tudo junto e misturado. A trajetória do casal Renato Rizzaro e Gabriela Giovanka é assim. Com garra e ralação, transformaram uma área em RPPN, na Mata Atlântica de Santa Catarina: a Reserva Rio das Furnas.

Até que, em 2010, o sonho escorreu pelas encostas do morro – a área da reserva foi atingida por um deslizamento causado pelas chuvas. Desalojados por um tempo, eles resolveram colocar o pé na estrada. Daí nasceu o primeiro projeto de educação ambiental – de lá para cá já foram 34 mil quilômetros (quase uma volta ao mundo) pelas estradas do Brasil. Nas paradas, eles organizam a Roda de Passarinho, que ensina observação de aves às crianças de um modo muito divertido.

As viagens também já renderam cinco pôsteres sobre a avifauna dos nossos biomas – Mata Atlântica, Pampa, Amazônia, Pantanal e Cerrado. Para produzir este último eles visitaram lugares tão incríveis como a Chapada dos Veadeiros e a Serra da Canastra. Os deliciosos relatos de viagem renderam um blog, onde você também pode comprar os pôsteres – o dinheiro ajuda na divulgação da observação de aves, na conservação da Mata Atlântica (a reserva já está se regenerando após o acidente) e nos projetos futuros de viagem dos dois. A próxima aventura, aliás, começa ainda em 2015 – desta vez eles vão visitar a Caatinga, fechando assim a série dos biomas.

Poster Aves do Cerrado – Reprodução
Queixadas – Foto: Renato Rizzaro
Seriema – Foto: Renato Rizzaro
Chapada dos Veadeiros – Foto: Renato Rizzaro

 

​Parque do Viruá: megadiversão na Amazônia

Pica-pau-amarelo – Foto: Zé Edu Camargo
O trocadilho no título aí em cima é um pouco infame. Mas dá a medida da emoção que um observador de aves pode experimentar em uma área com megadiversidade (de fauna e flora) da Amazônia brasileira. O Parque Nacional do Viruá, em Roraima, é um dos hotspots com mais potencial de crescimento para a observação de aves na América do Sul. Motivos não faltam: são mais de 500 espécies de aves já catalogadas na área. Com floresta de terra firme, floresta de várzea, campinas e lavrados em sua área, o parque abriga raridades e espécies ameaçadas.
Chora-chuva-de-asa-branca – Foto: Zé Edu Camargo
Ariramba-de-cauda-verde – Foto: Zé Edu Camargo
Aos poucos os observadores têm descoberto essa joia. De Boa Vista (capital do estado, onde está o aeroporto mais próximo) são pouco mais de duzentos quilômetros de asfalto em boas condições até a entrada do parque. Desntro da área, muitos dos principais locais de observação têm acesso muito fácil, graças a um fato inusitado: uma estrada que leva a lugar nenhum. A Estrada Perdida, como é chamada, é um trecho abandonado da rodovia que liga Boa Vista a Manaus. Após algumas dezenas de quilômetros, os engenheiros desisitiram do trajeto (graças às dificuldades com baixios e áreas alagáveis) e procuraram outro caminho para a rodovia. Assim, o trecho construído (mas não asfaltado) foi abandonado e, mais tarde, inbcorporado pelo parque Nacional.
Araracangas – Foto: Zé Edu Camargo
Rabo-de-arame – Foto: Zé Edu Camargo
Mas nem só na Estrada Perdida é que se podem encontrar aves interessantes. As margens dos rios que cortam o parque, como o Baruana, e as florestas de terra firme nos arredores da sede também são ótimos pontos.
Uma das estrelas do lugar é uma espécie que pode ser vista até com relativa facilidade (ainda mais se comparado a outros lugares no Brasil e na Venezuela onde ela ocorre): o formigueiro-de-yapacana (Aprositornis disjuncta). Mas há muitas outras, como o rabo-de-arame (Pipra filicauda) e a ariramba-de-cauda-verde (Galbula galbula). Também há muitas aves migratórias, o que torna cada viagem ao Viruá uma surpresa.
Formigueiro-de-yapacana – Foto: Zé Edu Camargo

Campanha pró-birding no Amazonas

Beija-flor-de-garganta-verde – Foto: Zé Edu Camargo

A Amazônia é um destino dos sonhos de qualquer observador de aves. No entanto, ainda são poucos os lugares, em toda a imensa região, com estrutura para receber turistas que querem passarinhar. Por isso, é mais do que bem-vinda a iniciativa do portal de crowdfunding (financiamento colaborativo) Garupa, que pretende arrecadar fundos para estruturar o birdwatching na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Rio Negro, na região de Manaus. A Vila do Tumbira é o ponto focal do projeto. Ali o potencial para o birding é imenso: são quilômetros e mais quilômetros quadrados de mata intocada, com diversos perfis – e muitas aves. A RDS Rio Negro é uma das áreas de influência da FAS (Fundação Amazonas Sustentável), projeto que tem o apoio de grandes empresas, como a Samsung.

No Tumbira, a ideia do projeto de crowdfunding é estruturar a pousada local e treinar guias locais para acompanhar os observadores de aves. A Vila fica a pouco tempo de barco de Manaus, e tem potencial para se tornar um destino fantástico para o birding (e também para a observação de flora e fauna da Amazônia). Para saber mais e entender as vantagens de participar, você pode acessar o Portal Garupa. Mas vai logo, porque a campanha se encerra no dia 30 de novembro.

Tumbira – Foto: Paula Arantes

 

As torres do Cristalino

Rio Cristalino. Foto Zé Edu Camargo.

Na Amazônia, torres de observação costumam ser imprescindíveis para o birding. A explicação é simples: boa parte das espécies passa a vida na copa das árvores. Assim, observá-las do chão é tarefa muito difícil – não raro, impossível. No Brasil, contam-se nos dedos as torres de observação em meio à selva. E duas delas estão em um só lugar, a RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) do Rio Cristalino, em Mato Grosso, na divisa do Pará. Ali está um dos pontos de sonho para qualquer birder brasileiro (e mesmo gringo), o Cristalino Jungle Lodge. Há pouco mais de um ano, estive ali preparando uma reportagem para a revista Viagem (publicada em junho do ano passado), acompanhado do fotógrafo (e também birder) Marcos Amend. Passamos quatro dias em busca de imagens. Não só de aves: foram ariranhas, jacarés, lontras, porcos-do-mato, jiboias e um sem-número de insetos (como as mais coloridas e imensas borboletas que já vi). Subimos o rio Cristalino até o parque estadual, em busca de onças – que não deram o ar da graça. E fizemos até uma incursão noturna na selva.

Mas é nas torres do Cristalino que o bicho pega – literalmente. O guia Jorge, que nos acompanhou, tem olhos e ouvidos atentos, acionando o playback para atrair um sem-número de aves diferentes a todo instante. Graças a ele vivi um dos momentos mais divertidos durante uma saída até hoje. Jorge atraiu um bando misto que passava perto da torre. E bando misto, por ali, significa uma turma do barulho, com saíras, gaturamos e até beija-flores. Era tanto bicho que eu não sabia onde focar primeiro. E rendeu ótimas fotos.

Nas torres também podem ser encontradas aves mais raras. Com sorte, até uma ou outra nem descrita pela ciência. Não se pode esquecer que ali foi descoberta uma nova espécie de ave de rapina, o falcão-críptico (Micrastur mintoni) há apenas dez anos. Entre as figurinhas não muito fáceis que encontrei, o capitão-de-cinta e o anambé-azul renderam os momentos mais bacanas. E também a marianinha-de-cabeça-amarela, uma espécie de psicitacídeo muito interessante, e que permitiu uma boa aproximação.

Chegar ao Cristalino é bem fácil. O acesso por avião é feito até Alta Floresta, no Mato Grosso. Dali são duas horas de 4×4 e mais uma hora e meia de barco, atravessando o Teles Pires e subindo o próprio rio Cristalino. Ah, os mesmo donos têm um hotel em Alta Floresta, onde há um trecho pequeno de mata. Pois bem, ali um casal de harpias (ou gaviões-reais) resolveu nidificar, já faz alguns anos. E em 2012 estava com um filhote. Coisa de cinema.

Anambé-azul. Foto Zé Edu Camargo

 

 

Marianinha-de-cabeça-amarela. Foto Zé Edu Camargo

 

Gaturamo-do-norte. Foto Zé Edu Camargo

 

Araçari-de-pescoço-vermelho. Foto Zé Edu Camargo

 

Garça-real – Foto: Zé Edu Camargo

O Brasil no caminho de um mistério

A tecnologia parece ter esclarecido um dos maiores enigmas da ornitologia norte-americana. A maioria das aves migratórias por lá têm paradeiros e rotas bem documentados. Não era esse o caso de uma espécie de andorinhão chamada Cypseloides niger, ou Black Swift (andorinha-negra, em inglês). Essas aves migram no fim do outono, deixando seus ninhos em paredões de rocha e cachoeiras no estado do Colorado, voltando após o inverno. Mas seu destino nunca foi documentado. Uma reportagem do jornal The Denver Post esta semana, no entanto, diz que o enigma está esclarecido. Esses andorinhões viajam milhares de quilômetros até o… Brasil. Mais especificamente, para um ponto no oeste da Amazônia brasileira. O uso da tecnologia de ponta foi o fator-chave para o sucesso da pesquisa (que deve ser publicada em breve em uma revista de ornitologia): o paradeiro das aves foi decifrado graças a um localizador GPS colocado no corpo de quatro espécimes (dos quais três foram recapturados). A descoberta é importante não só para a ornitologia americana, mas também para a brasileira. Essa tecnologia pode fazer com que a lista nacional de espécies  aumente. Leia a reportagem completa do The Denver Post clicando aqui.

O encontro de duas Amazônias

A campina é uma formação amazônica de mata baixa e capim, que ocorre em meio à floresta. Foto: Mario Cohn-Haft

O título deste post foi roubado. Ou melhor, emprestado. Ele é uma invenção de Mario Cohn-Haft, pesquisador do INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), que participou no fim de 2011 de um levantamento das aves do sul do estado do Amazonas. Mas precisamente, nas cercanias da cidade de Boca do Acre. E por que Encontro de Duas Amazônias? Explico. No imaginário de boa parte dos brasileiros (e nem vou falar dos estrangeiros…) a Amazônia é uma grande extensão de floresta, com árvores do tamanho de prédios, cortada por imensos rios. No entanto, a região guarda um outro cenário pouco conhecido, mas igualmente importante: o das campinas. Campinas são áreas cobertas por vegetação baixa, com algumas árvores esparsas, num quadro que lembra mais o cerrado do Centro-Oeste. Esses campos formam “ilhas” em meio à mata alta, em vários estados da região. Em Boca do Acre, as duas formações (mata e campinas) estão próximas, com acesso por terra – condição difícil de encontrar.

A expedição, na verdade um projeto de pesquisa liderado pela dra. Camila Ribas (também do INPA), teve o apoio do pessoal de duas unidades federais de conservação, as florestas nacionais do Purus e do Iquiri. E o resultado não podia ser mais animador, não só para a ciência, mas também para os observadores de aves. Quase 380 espécies foram identificadas – e a estimativa é de que a região abrigue cerca de 700. Ou seja, mais da metade de todas as aves da Amazônia. Essa diversidade acontece não só pela presença das campinas, mas também de uma outra formação, os ajuntamentos de bambus chamados de tabocais. “A região tem potencial para atrair observadores, em função da diversidade de espécies e também pela possibilidade de avistar algumas aves raras”, diz Mario Cohn-Haft. Entre elas, estão algumas que ainda nem foram descritas pela ciência, como uma espécie de gralha avistada na expedição. Ou algumas já conhecidas, mas de difícil observação, como uma ave da família dos urutaus, o urutau-ferrugem (Nyctibius bracteatus).

Urutau-ferrugem (Nyctibius bracteatus), uma das aves amazônicas de difícil observação encontradas pela expedição a Boca do Acre. Foto Mario Cohn-Haft
Tabocal, uma formação de bambus em meio à mata, rica em avifauna. Foto Mario Cohn-Haft.
A equipe de ornitologia e os moradores da casa que serviu de base de apoio no Rio Inauini (Flona do Purus). Da esquerda para a direita: Gisiane Rodrigues Lima, Laís Araújo Coelho, Dona Nilda, Damião e Cosme, Sr. Fredson (Tom), Mario Cohn-Haft, Claudeir Ferreira Vargas. Foto Ricardo Sampaio.
A equipe de ornitologia em campo. Foto Mario Cohn-Haft.