cornell

2017 vai voar

captura-de-tela-2016-12-07-as-19-15-54

São vários os fatores que apontam para um crescimento da observação de aves como atividade no país. Pouco a pouco surgem guias, destinos, hotéis com estrutura – e a cada dias mais gente posta listas, fotos e sons em plataformas como Wikiaves, E-bird ou Táxeus. Mas há um outro aspecto que leva à mesma ideia: a expansão dos eventos de observação por todo o país. O Avistar (principal evento do meio no Brasil) ganhou crias regionais. O #vempassarinhar, conceito que une observação de aves e ciência cidadã numa divertida passarinhada em grupo (e que nasceu no Observatório de Aves do Instituto Butantan) hoje se espalha em parques e áreas verdes de diversas cidades. E mesmo o conceito de Big Day pegou por aqui – no ano que vem vamos para a terceira edição do Big Day Brasil. Além disso, o tempo todo, observadores se unem para passarinhar, para trocar experiências, para criar atividades divertidas com as crianças.

Para tentar unir essas atividades (ou parte delas) em um único calendário, surge agora uma plataforma colaborativa online- uma iniciativa de várias entidades em conjunto. A ideia é simples: qualquer um pode cadastrar seu evento neste Link aqui. Assim os observadores podem se preparar e agendar a participação naqueles que consideram mais importantes ou interessantes. A plataforma foi lançada há poucos dias, mas já dá pra ver que 2017 promete. São dezenas de eventos programados. Que tal dar uma olhadinha e já ir se preparando para o ano novo?

O sucesso do Big Day Brasil

Pica-pau-do-campo. Foto Zé Edu Camargo
Pica-pau-do-campo, uma das aves registradas durante o Big Day Brasil em 2016. Foto Zé Edu Camargo

A esta altura do campeonato, se você se interessa minimamente por observação de aves, já deve ter visto o filme The Big Year, com Jack Black e Steve Martin. Certo? Pois bem, a competição nos EUA existe de verdade e muita gente tira um ano sabático pra tentar ver o máximo de espécies no prazo de um ano. Mas a diversão nem sempre é tão comprida. De dois anos pra cá, o laboratório de ornitologia de Cornell (que mantém o site E-bird) vem organizando em maio o Big Day global – no qual o Brasil sempre faz bonito. Mas vamos combinar, maio não é nem de longe o melhor mês para se observar aves do lado debaixo do Equador. Então os brasileiros inventaram o Big Day Brasil, na primavera americana do Sul. O ano passado (2015) foi uma espécie de esquenta. E este ano o Big Day pegou por aqui – se estendeu aos países vizinhos (Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai). Equipes em 25 dos 27 Estados foram a campo tentar registrar o máximo de espécies em 24h. O resultado? Os brasileiros registraram 1084 espécies. Os argentinos conseguiram registrar quase 70% do total de espécies conhecidas no pais – 672. Paraguai computou 254 espécies, Chile 247 e Uruguai 228. No total, isso dá 10% de todas as espécies do planetinha azul. nada mal, hem?

De quebra, a equipe composta por Wagner Nogueira e Helberth Peixoto bateu em São Paulo o recorde brasileiro de observação, com 256 espécies. E várias equipes tiveram números acima das 200 espécies. O ano que vem tem mais. Ninguém duvida que será ainda melhor. Agora é preparar bem o Brasil para o próximo Big Day global, em maio de 2017.

Universidade Cornell tem projeto para identificar aves a partir de fotos

A universidade norte-americana Cornell lançou uma plataforma colaborativa muito ambiciosa, chamada Merlin. A ideia é usar recursos de inteligência artificial para identificação de aves a partir de imagens. No futuro, o programa poderia identificar qual a espécie de uma ave (ou as espécies mais prováveis) apenas analisando uma foto. Num futuro ainda um pouco mais distante, isso poderia ser adaptado até mesmo a binóculos e outros equipamentos óticos – eles identificariam a espécie ainda em campo. Para que o projeto tenha êxito, os pesquisadores solicitam aos observadores que contribuam com o banco de dados. Isso pode ser feito de várias formas – desde o envio de fotos até a resposta a algumas perguntas simples. Não encontrei nenhum a restrição quanto à área geográfica. Quem quiser pode acessar a plataforma clicando aqui. O futuro está mais próximo que imaginamos.