fotografia

Concurso de fotografia no Brasil irá premiar imagens de aves ameaçadas de extinção

As 234 aves ameaçadas no país são o tema de um concurso de fotografia que já está com inscrições abertas. Iniciativa do Avistar Brasil em parceria com as ONGs brasileiras SAVE Brasil, Aquasis e Biodiversitas, a competição tem o patrocínio da American Bird Conservancy. As aves fazem parte da lista de animais ameaçados de extinção divulgada pelo ICMBio em 2014. As inscrições vão até o dia 05 de maio e há prêmios para os melhores colocados e para as menções honrosas. Para saber mais e fazer sua inscrição visite o site do concurso clicando aqui.

O mercado de publicações especializadas

Livro do fotógrafo Anselmo d'Affonseca traz 137 espécies
Livro do fotógrafo Anselmo d’Affonseca traz 137 espécies

Por um bom tempo era difícil encontrar, nas livrarias, obras especializadas em avifauna. Os livros editados eram poucos – e muitos tinham um pé na ornitologia. Boas obras vinham de fora, outras saíam em número limitado, bancadas por um patrocinador. Este cenário mudou muito. Hoje, além de excelentes guias de campo (como os do Tomas Sigrist, que também publica livros de arte), há diversas opções de livros de fotografia, de muitos bons autores. O melhor: de autores em vários estados, mostrando a força de nossa biodiversidade. Um dos livros mais recentes traz as imagens capturadas por Anselmo d’Affonseca (um colaborador assíduo do blog e autor também das imagens do aplicativo de iPhone Aves da Amazônia), com textos dos pesquisadores  Ingrid Torres de Macedo e Mario Cohn-Haft. A obra, intitulada Aves da Região de Manaus, conta com 137 espécies que podem ser encontradas nos parques e locais turísticos da capital do Amazonas. Para adquiri-la pode-se entrar em contato com a Editora INPA através dos e-mails: editora@inpa.gov.br ou editora.vendas@gmail.com.

Outro lançamento, este já tradicional, é o Calendário Aves Brasileiras. A versão 2013 já está disponível. É um ótimo presente de fim de ano. As fotos são todas do grande Edson Endrigo, e trazem um mosaico de cores e formas da avifauna por todo o Brasil. A publicação da Aves & Fotos pode ser encomendada pelo site da editora. O preço é de R$ 20.

Portfólio Jarbas Mattos

O Wikiaves não é só um banco de dados virtual, nem só uma baita ferramenta de pesquisa. É também uma comunidade viva, onde dá para trocar experiências, aprender e se divertir. Logo vou voltar a ele em outro post. Mas a introdução é para dizer que no Wikiaves eu aprendi a admirar o trabalho de muita gente. Um dos fotógrafos que sempre me chamou a atenção é Jarbas Mattos, um paulista boa gente. Um cara que vive viajando, sempre atrás de lifers e descobertas, mas também uma pessoa muito atenta ao comportamento das aves. Suas fotos sempre têm uma ação, um componente diferente, algo que as destacam e as tiram do lugar-comum. Aqui está uma pequena apresentação própria que ele fez a meu pedido, e um pequeno portfólio de suas fotos (os comentários sobre as fotos nas legendas são dele). Pedi também ao fotógrafo que desse dicas a que está começando. Com vocês, Jarbas Mattos:

“Apesar de ser biólogo por formação, eu só descobri as aves pouco depois de descobrir a fotografia; eu trabalhava junto ao SEBRAE na área de treinamentos e viajava muito a trabalho, e normalmente os cursos ocorriam em um período, noite ou dia, e eu ficava o outro período sem nada para fazer. Foi aí que a fotografia entrou. E, claro, como biólogo, a fotografia de natureza foi a opção lógica. No começo fotograva de tudo, porém sempre via as aves e amava suas cores, aprendendo aos poucos a conhecê-las melhor, por isso a fotografia e a fotografia de aves vieram juntas. 

Na verdade eu não tenho um estilo de birding preferido, mas prefiro fotografar quando estou em grupos bem pequenos, 3 ou 4 no máximo. Quanto ao tipo de terreno, gosto de todos, mas curto muito o cerrado devido à boa luz, às cores de fundo sempre diferenciadas e à possibilidade de se fazer fotos mais limpas.

Birding para mim é algo extremamente natural, que faz parte minha rotina, afinal saio todos os dias para observar e fotografar. Inclusive, hoje, batalho para tentar editar meu primeiro livro – estou procurando por patrocínio no momento.

Algumas boas dicas para se fotografar aves são: aprender com quem sabe mais, estude MUITO as informações EXIF das fotos dos fotógrafos mais experientes e tente fazer igual, conheça sua máquina para poder usufruir dos recursos que ela oferece, nunca abuse do playback ou use esse recurso perto de ninhos (muitas espécies podem abandonar o ninho se sentirem ameaçadas e nenhuma foto vale isso). Na fotografia de aves silêncio é essencial por isso ande devagar e não faça movimentos bruscos na mata, as aves além do som se assustam facilmente com movimento, por isso seja discreto, use roupas camufladas ou discretas, tenha cuidado onde pisa e onde apóia a mão (encontros com animais peçonhentos são comuns). Mas, acima de tudo, divirta-se!”

Jarbas Mattos: “Eu sempre quis fazer uma boa foto gaturamo-bandeira (Chlorophonia cyanea) e Itatiaia foi o lugar perfeito!”

 

Jarbas Mattos: “Muito bacana poder ver esse papa-moscas-do-campo (Culicivora caudacuta), ave ameaçada de extinção por perda de hábitat, voando pelos campos da Canastra!”

 

Jarbas Mattos: “Os sporophilas, como esse patativa macho (Sporophila plumbea), são um fraco meu, adoro essas avezinhas, e um lugar bacana de encontrá-las é a Serra da Canastra, em Minas Gerais”

 

Jarbas Mattos: “Quem disse que beija-flores não gostam de água? Esse aí (beija-flor-preto, Florisuga fusca), pelo jeito, gosta!”

 

O que é um lifer?

Lifer, palavra que vem do inglês, serve para indicar uma ave que você observa pela primeira vez na vida. “O apuim-de-costas-pretas foi um lifer”, “O beija-flor-brilho-de-fogo seria um baita lifer” são frases que você pode ouvir nas conversas com outros birdwatchers. No Brasil, como a observação de aves está muito ligada à fotografia, a palavra lifer passou a ser usada também para designar a primeira vez na vida em que alguém fotografa uma ave. Isso, é claro, deturpa um pouco o conceito original. O excelente blog do fotógrafo Octávio Campos Salles trouxe uma discussão sobre este tema. Recomendo que você leia, além do post, também os comentários – há ali um debate de ótimo nível.

E você? Qual é o lifer dos seus sonhos?

 

Rabo-branco-acanelado (Phaethornis pretrei) -Foto Zé Edu Camargo

O passarinho do twitter

Campainha-azul (Porphyrospiza caerulescens) – Foto: Zé Edu Camargo

 

Pra mim, é ele: azulzinho, com o bico amarelo, pequeno e com um nome popular mais que apropriado: campainha-azul. Ou Porphyrospiza caerulescens, se você preferir o nome científico. Essa é a plumagem do macho – as fêmeas têm cores mais discretas, como é comum acontecer entre as aves.

Escolhi a campainha-azul para inaugurar o blog, que pretende abraçar (e abarcar) diversos aspectos da observação de aves, ou birdwatching. Mais especificamente, quero falar da fotografia, uma face muito associada a esta atividade, principalmente no Brasil.

Você verá aqui fotos de profissionais (como os fotógrafos da National que você encontra no blog Por Trás das Lentes – todos têm fantásticas fotos de aves), mas também de amadores que não passam um fim de semana, na cidade ou no campo, sem sair em busca de um clique perfeito. Dicas de equipamentos, livros, filmes, guias, bons lugares para o birding (a palavra em português também é deliciosa, e lembra Mario Quintana: passarinhar). Como o lugar em que fiz esta foto, o Parque Estadual da Serra de Caldas, um enclave de cerrado entre Caldas Novas e Rio Quente, em Goiás.

Mais pra frente pretendo voltar a falar desse parque, com detalhes das trilhas e das aves que lá gorjeiam. Por enquanto, fico por aqui. Aproveitando o mote para indicar o twitter do blog: @BrasildasAves.

P.S: A ilustração do passarinho do twitter, na verdade, é criação de um artista plástico chamado Simon Oxley. Aqui você lê (em inglês) uma entrevista com ele, feita pelo jornal The Washington Post: http://migre.me/5Ll4Z